Especiais

Insights

Insights
09 abr 2018

Insights são respiros. Aqueles momentos únicos que surgem no cotidiano sem aviso, nem motivo. Pode ser na paisagem da janela, no sabor do café, na risada com um amigo. Eles apenas vêm e a gente aproveita para ser feliz por um minuto. Como uma viagem instantânea que podemos fazer a qualquer momento, em qualquer lugar.
Todos os Insights estão diariamente no nosso Instagram. Vai lá respirar com a gente.

Viagens

O que fazer em Ribeirão da Ilha: história, restaurantes e as melhores ostras de Floripa
Santa Catarina

O que fazer em Ribeirão da Ilha: história, restaurantes e as melhores ostras de Floripa

Deixar as belas praias do leste e serpentear pela estradinha até Ribeirão da Ilha é como mergulhar no coração de Florianópolis.  Aquela parte que permanece lá, guardada no sul, distante de prédios novos, baladas e areias lotadas. Era tudo o que eu queria depois de um dia cheio das coisas boas de Floripa.

31 out 2017
Leia
Turismo na Jordânia:  o que fazer, roteiros e dicas de viagem
Jordânia

Turismo na Jordânia: o que fazer, roteiros e dicas de viagem

A Jordânia desafia estereótipos. Quando eu cheguei a Amã, chovia e a temperatura era negativa. Sim, ao contrário do que muita gente imagina de um país do Oriente Médio, nem tudo na Jordânia é um imenso deserto e pode fazer muito frio durante o inverno. Viajar pelo pais é muito tranquilo e, embora tenha alguns vizinhos turbulentos, muito seguro.

30 ago 2017
Leia
As mil e uma faces de Amã, na Jordânia: o que fazer, história e pontos de interesse
Jordânia

As mil e uma faces de Amã, na Jordânia: o que fazer, história e pontos de interesse

Minha principal memória de Amã é um som. Allahu akbar, allahu akbar…  O canto dos muezzin chamando para a oração parte das centenas de minaretes da capital da Jordânia. Você pode estar numa mesquita, no trânsito barulhento da hora do rush ou no mercado de rua, onde a garganta ainda é a alma do negócio, não importa.

30 ago 2017
Leia
Três dias em Havana:O que fazer e viver na capital de Cuba
Havana

Três dias em Havana:O que fazer e viver na capital de Cuba

Prepare o espírito e as pernas. Nada se compara à mistura de capitalismo e socialismo, história e mar, escassez e beleza de Havana. Para conhecer a contraditória capital de Cuba em apenas três dias, é preciso fôlego, mente e olhos bem abertos.

06 out 2016
Leia
Dunas, praias e leões-marinhos: o que fazer em Cabo Polonio, Uruguai
Cabo Polonio

Dunas, praias e leões-marinhos: o que fazer em Cabo Polonio, Uruguai

Chegar em Cabo Polônio já é uma aventura. Isso ajude a explicar como um lugar sem luz elétrica, água encanada e uma comunidade…

26 set 2016
Leia
Roteiros de carro entre Porto Alegre e Montevidéu: como ir e o que visitar
Montevidéu

Roteiros de carro entre Porto Alegre e Montevidéu: como ir e o que visitar

Entrar no Uruguai, vindo de Porto Alegre, é quase a continuação natural de uma viagem pelo sul do Rio Grande. Você vai dirigindo e, quando vê, já está lá.

15 set 2016
Leia

Programe sua viagem

Brasil

Brasil

Mundo

Mundo

Guia de viagens aos4ventos

Guia de viagens aos4ventos

Reserve seu hotel

Reserve seu hotel

Faça seu seguro

Faça seu seguro

Livros

Viajar é essencial.
Quando não dá pra ir com as próprias pernas, a
gente abre um livro.
E voa.

Leia

Se me vir desarrumada
não estranhe
Estou de mudança
de mim

Leia
Crianças na Rede
Livros

Crianças na Rede

A coleção Crianças na Rede, publicada pela Editora do Brasil, nasceu primeiro em casa e na vida profissional de cada uma de nós, autoras. E também nas ruas, restaurantes, escolas e em todos os lugares em que esbarramos com crianças e telas tão íntimas que parecem uma coisa só. E não são apenas eles.

29 set 2017
Leia
Hora de parar
Minhas histórias

Hora de parar

Lógica, minha velha amiga, hoje você não me serve. Danem-se o encadeamento, o sentido, a história, a consequência. Não. Nada de puxar o fio de vagalumes numa floresta de contos de fadas. Também não me venha dar explicações, repetir a antiga ladainha. Não. Aqui  não é o seu lugar. Não hoje. Porque hoje eu só preciso existir.

13 set 2017
Leia
A fantástica história do homem que amava a China
Viagens Literárias

A fantástica história do homem que amava a China

Como eu gostaria que este texto estivesse na categoria Viagens aqui do blog! Mas não, a China continua em minha longa lista de desejos. Ainda mais depois  que embarquei numa jornada maravilhosa ao ler O Homem que amava a China. O livro me levou a viagem espetacular ao interior do país num dos momentos mais turbulentos do século XX, quando a China ainda era um gigante adormecido.

29 ago 2017
Leia
Quanto mais você lê, mais você vive
Livros

Quanto mais você lê, mais você vive

Precisamos de dados. Nosso mundo é assim, queremos confirmação científica até para o que sabemos desde a invenção da escrita. E a ciência confirma: ler faz bem. Vários pesquisas atuais mostram que a leitura de livros combate o stress, melhora a empatia, o raciocínio, protege o cérebro contra perdas cognitivas e Alzheimer, e até aumenta as chances de ganhar mais.

28 ago 2017
Leia

Vídeos

Ideias

Morria de medo
até perceber que
pouco a pouco
de medo morria

Leia
Quando é preciso recomeçar
Ideias

Quando é preciso recomeçar

Um dos problemas de entrar em um segundo tratamento de câncer é que o spoiler é inevitável. Você já sabe dos detalhes todos. Um pouco como repetir de ano na escola, reprovar no vestibular ou perder um emprego de anos e ter de começar de novo. Não é desprezo pelo que se viveu, é inconformismo. Porque, no fundo, você pensa que não sabe de nada.

29 set 2017
Leia
As coisas que o facebook não faz por você
Ideias

As coisas que o facebook não faz por você

Já vou dizendo: eu adoro as redes. Não posso imaginar minha vida e meu trabalho sem elas. E não tenho nenhuma saudade do tempo em que  fazer uma ligação (cara) de telefone fixo era a maneira mais fácil de falar com as pessoas. As vantagens são tão óbvias que nem vale a penas falar mais sobre elas aqui. Você sabe, eu sei, o mundo concorda. E estamos conversados. Mas…

28 ago 2017
Leia
O que estamos fazendo da nossa vida vida?
Ideias

O que estamos fazendo da nossa vida vida?

Pensar na vida talvez seja a primeira reação quando você se depara com a morte. E não falo apenas do medo de desaparecer, mas o de nunca ter vivido como se desejou. Quem passou por uma situação traumática e viu a morte ali pertinho, não sai igual da experiência.

28 ago 2017
Leia
A viagem de volta pra casa
Ideias

A viagem de volta pra casa

Neste Natal eu não quero praia, nem serra. Não vou para o exterior, nem descobrir qualquer pedaço novo do Brasil (que eu adoro!). E não é culpa do dólar ou dos preços absurdos da temporada. Qual é o plano então? O programa é exatamente o mesmo desde que comecei minhas andanças pelo mundo. Eu vou viajar de volta pra casa. Não a casa de hoje, lógico. Desde que saí de […]

21 dez 2015
Leia
Procura-se um cartão-postal
Ideias

Procura-se um cartão-postal

Cartão-postal. Escrevi a palavra no título de um post  e estranhei. Afinal, há quanto tempo eu e você não preenchemos aquelas linhas, grudamos um selo e saímos atrás de uma agência de correios em qualquer parte do mundo? Muito, o bastante para mandar a palavra para o limbo onde vivem o telegrama e a fita cassete. Ou não? Os cartões-postais de verdade parecem ter quase desaparecido. Estacionados no mesmo lugar […]

08 jun 2015
Leia

Especiais

Insights
Especiais

Insights

Insights são respiros. Aqueles momentos únicos que surgem no cotidiano sem aviso, nem motivo. Pode ser na paisagem da janela, no sabor do café, na risada com um amigo. Eles apenas vêm e a gente aproveita para ser feliz por um minuto. Como uma viagem instantânea que podemos fazer a qualquer momento, em qualquer lugar. Todos os Insights estão diariamente no nosso Instagram. Vai lá respirar com a gente.

09 abr 2018
Leia
Coleção Crianças na Rede
Especiais

Coleção Crianças na Rede

A coleção Crianças na Rede, publicada pela Editora do Brasil, nasceu primeiro em casa e na vida profissional de cada uma de nós, autoras. E também nas ruas, restaurantes, escolas e em todos os lugares em que esbarramos com crianças e telas tão íntimas que parecem uma coisa só. E não são apenas elas.

29 set 2017
Leia
Documentário: Viagem pela Palestina
Especiais

Documentário: Viagem pela Palestina

No começo de 2017, eu viajei para a Palestina com a família, uma câmera e uma ideia na cabeça: conhecer e registrar um país que não aparece nos noticiários. Conduzidos por um taxista palestino e guiados por Ruaida Rabah, presidente do Conselho de Cidadãos Brasileiros na Palestina, percorremos lugares sagrados, sítios arqueológicos, cidades históricas e comunidades que cultivam oliveiras centenárias e um modo de vida ancestral.

12 set 2017
Leia

Cassiana Pizaia

Cassiana Pizaia

Sou jornalista por profissão, escritora de coração e inquieta por natureza. Escrevo blogs, livros, gravo vídeos e documentários. Tudo para falar de uma ideia, um lugar ou um livro interessantes. Tenho uma história cheia de reviravoltas.  Se você ler até o final (clique na foto), talvez pense que, em algum ponto, eu tive azar. Mas eu discordo.

Sou, sobretudo, uma pessoa de sorte.

Instagram

  • 43° às quatro da tarde! Para sobreviver ao verão de Sevilha, só entregando os pontos e aderindo  à siesta. Um calor que faz alguém perder as horas preciosas de uma viagem pela Andaluzia dormindo, só pode ser mesmo de enlouquecer. Mas foi por causa dele que reparei nas laranjeiras. Todas verdes e carregadas, enquanto o resto se esturrica. Primeiro, no "Patio de los naranjos", da incrível e imensa Catedral. Depois, nas praças, sobre mesas recheadas de tapas. E até nas ruas das lojas caras em época de "rebajas". Laranjeiras em todos os cantos. Mas porque falar delas numa cidade tão bela, surpreendente e preservada como Sevilha? É uma longa história. Muito antes de acudir os turistas, as laranjeiras refrescavam os árabes em torno das fontes nos pátios das mesquitas. Foram eles, nos 5 séculos em que ficaram por aqui, que plantaram as laranjeiras na alma andaluz. Na alma e no corpo. Dizem que as laranjas, fermentadas com açucar, acompanharam marinheiros nas grandes navegações, evitando a morte por escorbuto. Sevilha era, então, o maior porto de partida para as Américas. Mas as laranjas também serviam para aguçar os sentidos. A realeza adorava as geléias. E os sevilhanos transformavam flores e frutos em delicados perfumes. É deles um dos aromas que respiro nos jardins do Alcácer de Sevilha. Quando os reis cristão substituiram os sultões e construíram seus próprios palácios aqui,  adotaram a estética moura. E plantaram mais laranjeiras. Parece que ninguém mais ousou fazer diferente. Hoje são mais de 40 mil, cobrindo de verde o calor de Sevilha. Parecem nada, perto de tantos monumentos maravilhosos. Mas agora, quase torrando ao sol,  penso no que seria de mouros e cristãos, sevilhanos e turistas, no que seria de mim, sem elas. O passado e o presente de Sevilha são feitos de muitas culturas, artes, ideias, conquistas. E também de laranjas :).
#viajar #Andaluzia #Espanha #laranjeiras #historiasdeviagem
  • Acabo de saber (com delay de dias 😊)!
Nosso livro 'Layla, a menina síria' foi um dos selecionados pelo Programa Minha Biblioteca, da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo e será distribuído nas escolas públicas municipais. Uma ótima notícia e uma grande oportunidade para as crianças terem acesso a bons livros desde cedo ;).
#LaylaAMeninaSíria
#minhabiblioteca #boanoticia
#literaturainfantojuvenil
#livros #escritora
  • No quadradinho 15 x15 feito de cerâmica esmaltada talvez caiba mais de Portugal que muitos monumentos que a gente vê por Lisboa. A história começa muito longe do Tejo e da Europa. O azulejo nasceu dos mosaicos e arabescos trazidos pelos árabes que ocuparam a região por vários séculos. Eles se foram e o azulejo ficou. Incorporou outras técnicas, seguiu tendências arquitetônicas, artísticas e políticas. Retratou e viajou na era das navegações, converteu-se ao cristianismo, modernizou-se com a cidade. E permaneceu, com um pé na arte, outro na prática. Olhando as fachadas brilhantes diante do Tejo, penso que elas também ajudam a manter as paredes longe da umidade. Por tudo isso, o pincel não para de se mover por aqui. Na olaria que reproduz os padrões do século 18, nas mãos dos restauradores, nas lojinhas, nas ruas. 
Me comove um pouco ver isso tudo. Uma  cidade trabalhando todo dia, durante séculos, para fazer de si mesma, quadradinho por quadradinho, uma obra de arte.
#Lisboa #Portugal #azulejo #ajulejoportugues #viagem #historiasdeviagem
  • Lisboa é uma cidade linda e única, mas andar por ela é também reconhecer. Subir uma ladeira pensando em Ouro Preto,  encontrar becos  que lembram Salvador, paredões de ajulejos que você já viu onde mesmo? Ah, São Luiz. Tem também as janelas, as escadarias ("escadinhas" por aqui), as igrejas (sem todo o ouro da nossa Minas Gerais). Até o bonde, que o Brasil renegou há décadas e aqui circula por todos os lados, me deu uma pontinha de saudade de subir a Santa Teresa, no Rio. De bonde, claro. Mas não é só. Reconheço nos  quintais algumas ávores da minha infância em Cambé. Limões, laranjas, ameixas. A devoção popular a Santo Antônio. E descubro num cotovelo do caminho, um bar que podia estar na esquina do meu bairro. Não um pub inglês ou um café parisiense. Um boteco mesmo, com porta aberta, mesinhas e paredes simples e um balcão recheado de salgados pra você encostar e tomar uma cerveja ou um copo de café.  Parece óbvio? Sim, fomos colonizados. E o turismo em Portugal nos lembra o tempo todo do lado épico dos descobrimentos. Sem, claro, o luxo cercado de sofrimento e dor impressos em Salvador, Ouro Preto e São Luiz. Ia dizer que aqui também não tem o berimbau, as danças, as rendas brasileiras. Mas, entre os ajulejos portugueses é o ritmo do Brasil e de países da África que escuto. E o bordado de Sintra lembra os que a minha mãe @cacildapizaia faz com capricho. Andar por aqui, enfim, é também tentar se encontrar entre semelhanças e diferenças, passado e presente, uma língua que é a mesma, mas também não é. E se divertir (e refletir) com a mistura de tudo isso ;).
#viagem #históriasdeviagem #Lisboa #Portugal
  • Escrever um livro pra mim é como fazer uma viagem a outro canto do mundo. Saio de casa e desembarco lá,  com mente, alma e coração. E o que acontece quando, no meio da abdução do livro, você precisa fazer outra viagem, essa bem real e física?
Está acontecendo agora comigo. O livro se passa num país da Africa. A viagem é pra Portugal. Viagem planejada com a família, o livro por terminar. E agora? Normalmente, me preparo pra essas viagens. Começo mesmo a vagar bem antes, lendo e pesquisando. Mas a mente, que deveria estar sonhando com um destino, não consegue se desapegar daquele outro, o que se faz na imaginação. E começa a misturar os alhos e os bugalhos.
Entro na livraria a procura de um autor português pra ler no avião. Em vez de Pessoa ou Saramago, saio com Grada Kilomba. A autora portuguesa, de raízes africanas, discute  colonialismo, preconceito e identidade negra. 
Chego a Lisboa com Grada na cabeça e me deparo com angolanos e cabo-verdianos por todos os lados. Todos um pouco portugueses. Puxo conversa, ouço suas histórias. Acredito que, assim como o leitor  ajuda a fazer o livro, o viajante constrói seu destino. Nesta minha viagem, a Europa surge  misturada com a África, culturas e histórias embaladas pelo ritmo que vem das ruas. Se não fosse o livro que escrevo, meu Portugal seria diferente?
Pode ser. E também, penso agora, talvez o livro acabe saindo outro ;). #Portugal #Africa #livro #viagem
  • Um dia, eu sonhei escrever sobre rios. Amazonas, Ganges, Nilo, Mekong, Volga, Mississipi, Congo, Danúbio... Em meus planos imaginários, conhecia as cidades, os campos, as pessoas que moram em suas margens. E escrevia sobre a vida, as planícies,  as plantações e os horizontes desenhados por cada um destes rios. A ideia não vingou ( ainda ;), mas, na vida real, eu continuo a perseguir os rios. E como "viver é melhor que sonhar" (embora eu suspeite que um não exista sem o outro), desci remando as corredeiras do Rio Urubamba, no Vale Sagrado dos Incas, naveguei o Nilo numa Feluka, experimentei as águas que sobem e descem no Amazonas, no Negro e no Tapajós. Tudo isso pra falar do rio da foto. O Tejo. Lisboa. Não, ele não estava na minha lista de rios imaginários. Como Portugal não estava nos planos da maioria das pessoas que viajavam pra Europa há pouquissimo tempo. Pois eis que amigos querem estudar em Portugal, meu filho de 13 anos diz que Lisboa é o máximo, minha manicure planeja se mudar pra cá . O que houve? Com certeza, decisão de governo, planejamento estratégico, investimento. Mas isso é assunto para outro momento. O que quero agora é descobrir o que sempre esteve aqui. E lá vou eu, mais uma vez, seguir o caminho de um rio.❤#Portugal #rios #Lisboa #riotejo #viagem #escrever #viajar

Acompanhe

O que se fala @aos4ventos
também por aqui:

Siga o blog: