Minhas histórias

Hora de parar

Hora de parar
13 set 2017
Atualizado em: 29/09/2017

Lógica, minha velha amiga, hoje você não me serve. Danem-se o encadeamento, o sentido, a história, a consequência. Não. Nada de puxar o fio de vagalumes numa floresta de contos de fadas. Também não me venha dar explicações, repetir a antiga ladainha.

Não. Aqui  não é o seu lugar. Não hoje. Porque hoje eu só preciso existir. Como uma borboleta no casulo, sem saber de si, de suas futuras asas, do velho rastejar. Sem nada, a não ser o próprio calor. Ali, no seu recanto, encolhida e quieta.

Não quero saber do início, nem do fim, nem quero histórias entre esses dois. Nada de heroínas e seus finais felizes. Nada de monstros e tragédias. Nada de esperança, sofrimento, alegria, lamento. Porque nenhum deles me serve agora. Só preciso respirar, conservar, estar. Deixar a natureza maturar, refazer, alimentar. Sem pressa, nem juízo, nem explicação.

Até que, aos poucos, minhas asas amarrotadas comecem o lento despertar. Sem tambores, nem suspiros. Apenas um leve e silencioso movimento. Suave, continuo, paciente como deve ser.

E quando, enfim, elas estiverem repletas de vida e coloridas pelo dourado do sol que se levanta, eu poderei, mais uma vez, respirar fundo e voar com o vento fresco da manhã.

por Cassiana Pizaia
compartilhe:

Veja também:

comentários

  1. Vanusa
    01 out 2017

    que lindoooooo! fiquei emocionada!!
    Nada como um naco de poesia! <3

    • Cassiana Pizaia
      03 out 2017

      Sempre, Vanusa! Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *