Paraná

Passeio e trilha na Reserva Natural Salto Morato, em Guaraqueçaba

Passeio e trilha na Reserva Natural Salto Morato, em Guaraqueçaba
12 fev 2016
Atualizado em: 30/10/2017

A Reserva Natural Salto Morato agrada vários estilos de viajante. Você é ecoturista de carteirinha, adora nadar em rio e descobrir cachoeira? Está no lugar certo. Gosta de natureza mas tem criança (presente!) ou faz questão de infraestrutura? O Salto Morato é um bom passeio para você também.

O lugar é uma Reserva Privada de Patrimônio Natural mantida pela Fundação O Boticário desde 1994. A empresa comprou antigas fazendas na área de preservação ambiental de Guaraqueçaba, no litoral norte do Paraná, e montou a estrutura para recebe pesquisadores e visitantes.

Reserva Salto Morato

 

É tudo tão organizado que nem parece que você está na floresta, mas está. Os 2253 hectares ficam dentro da maior reserva contínua de mata atlântica no país, com centenas de plantas e animais, alguns em risco de extinção.

O Salto Morato, lógico, é a cereja do bolo. A cachoeira gigante despenca de uma altura de 100 metros no meio da reserva criando aquele clima de paraíso perdido no final da caminhada.

Como é o passeio

Reserva Natural Salto Morato I

 

Na chegada, você passa por um centro de visitantes que tem material e vídeo educativo sobre o ambiente da região. A trilha principal parte dali e atravessa uma bela ponte pênsil no meio da mata.

Este caminho principal dá acesso a duas trilhas: a Trilha da Figueira e a Trilha do Salto.

A Trilha da Figueira tem dois quilômetros e meio e leva a uma árvore centenária que projeta as raízes como uma ponte natural sobre o Rio do Engenho. Eu não percorri desta vez (por isso não postei foto) mas conheci há alguns anos em uma viagem a trabalho e garanto que o lugar é muito bonito. O retorno pode ser um caminho diferente, que vai até a entrada da reserva.

Trilha do Salto

Trilha do Salto

A Trilha do Salto é uma continuação do caminho principal e tem apenas um quilômetro e meio, com acesso fácil, sinalização, placas educativas e banheiros.

Salto Morato 4

 

Um pouco antes da cachoeira, há um local para banho autorizado. O rio forma ali um aquário natural protegido pelas árvores, com peixinhos pequenos e pedras no fundo. A água que vem da serra é geladíssima, mas achei o banho uma delícia! Ah, e tem banheiro perto, uma grande vantagem quando se está no meio da mata.

Salto Morato.

 

Depois do lago, a trilha entra numa área mais íngreme (nada muito difícil) com cordas de proteção. Você vai descendo e percebendo a cachoeira entre os galhos das árvores. Lá embaixo, dá pra ver toda a queda d´água diante de um paredão de rochas. Lindo demais!

 Como chegar ao Salto Morato

O acesso difícil por terra é a maior preocupação de quem visita a reserva. O local fica em um dos cantos mais escondidos da Baía de Paranaguá e parte da estrada não tem asfalto até hoje. Eu preferi o caminho mais tranquilo. Fui de barco de Paranaguá a Guaraqueçaba e usei a cidade como base para os passeios na região, inclusive ao Salto Morato. Dou todas as dicas aqui:

Guaraqueçaba: Como chegar e o que fazer entre a serra e o mar

POR ESTRADA

Trecho da PR 405 perto do Salto Morato

Trecho da PR 405 perto do Salto Morato

A partir de Curitiba, há dois caminhos possíveis: o mais bonito e o mais rápido. Os dois, infelizmente com o mesmo trecho de terra no final.

Para pegar o mais bonito, siga pela BR 116, sentido São Paulo, e entre na histórica Estrada da Graciosa ( PR 410) 40 km depois da cidade. Siga as placas. Um pouco antes de Antonina, entre na PR 340, e siga até o trevo com a PR 405, a estrada de terra que leva a Guaraqueçaba.

O caminho mais rápido é pela duplicada BR 277, que leva ao litoral do Paraná. Depois da serra, entre no trevo para Morretes (tem sinalização). Um pouco antes de Antonina, pegue a PR 340 para Icatu e depois a PR 405. Deste ponto, são mais de 50 km por estrada de terra, com muitos buracos e solavancos. Dependendo as condições do tempo, a aventura off road pode durar até duas horas.

DE ÔNIBUS
A Viação Graciosa tem ônibus saindo da Rodoviária de Curitiba para Guaraqueçaba todos os dias às 07h. É preciso descer no cruzamento da PR 405 com a estradinha de acesso à reserva e andar mais 4 quilômetros.

DE BARCO

Como ir a Guaraqueçaba 2

 

Os barcos de linha para Guaraqueçaba partem de Paranaguá às 09h00 (todos os dias) e às 13h30 (de segunda a sexta) e retornam às 07h e 14h. De Curitiba a Paranaguá, dá pra ir de carro ou de ônibus (Viação Graciosa) pela duplicada Br 277.

O ponto de embarque em Paranaguá fica da Rua General Carneiro (conhecida como Rua da Praia) em frente ao restaurante Danúbio. A passagem custa R$30,00. O percurso leva duas horas e meia mas vale como um passeio entre as montanhas e ilhas de baía.

A partir de Guaraqueçaba, se você estiver sem carro, só é possível chegar à reserva de taxi. O professor Aurélio ( 41 8401 5112) cobrou em janeiro R$160,00 pela lotação completa do carro. Demoramos uns 40 minutos para percorrer os 23 km finais da PR 405 entre matas, pontes e búfalos até a reserva.

SERVIÇO

QUANTO CUSTA A ENTRADA: R$10,00/inteira, R$5,00/meia
HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO: terça a sexta das 08h30 às 17h30. Eu estive lá numa segunda e percorri a trilha normalmente. Apenas a lanchonete e o serviço orientação com vídeo não estavam funcionando.
ONDE COMER: a lanchonete abre de terça a domingo na temporada de verão. No restante do ano, funciona de quinta a domingo ou só no fim de semana. Para refeições, prefira os restaurantes de Guaraqueçaba. O Armazém tem lanches e petiscos. O Restaurante Barbosa serve ótimos furtos do mar.
ONDE FICAR NO SALTO MORATO : a reserva tem um camping com boa infraestrutura. Para reservar, entre em contato com a administração pelo email morato@fundacaogrupoboticario.org.br ou pelo fone 41 3375 9671. Diárias a 15 reais. As pousadas mais próximas ficam em Guaraqueçaba.

 

FOTOS: Cassiana Pizaia


Você também pode se interessar por estes posts:

Superagui: o paraíso escondido do Paraná

Guaraqueçaba: o que fazer entre a serra e o mar

Onde se hospedar na Ilha do Mel

por Cassiana Pizaia
compartilhe:

Veja também:

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *